web tempestadeO Sol já se ia pondo sobre o mar...
Quando há pouco de Melinde saímos.
E já estando nós no mar,
Na calmaria suavemente navegávamos...
web tempestadeO Sol já se ia pondo sobre o mar...
Quando há pouco de Melinde saímos.
E já estando nós no mar,
Na calmaria suavemente navegávamos...

Sem cessar o horizonte comtemplávamos
Com uma inquieta ambição de ver
A verdadeira Índia se nos aparecer.
Porém, ainda estava distante a que buscávamos!

Eis o mestre, na galé deambulava...
Com firmeza de coração,
Dentro de si a Deus rogava
Para que sobre nós derramasse salvação.

Só que, à meia noite de repente,
Uma tempestuosa nuvem se nos apareceu.
E duros ventos contra os quais a galé quase não prevaleceu!
Assim, foi-nos perturbada a navegação pela frente.

Eu e os marinheiros todos,
De tremor e de temor fomos tomados.
Pelo que, às instruções todas do mestre obedecíamos
Para que no tenebroso mar não perecêssemos!

Porque iniciara uma tempestade incrível.
De tal maneira que as ondas eram doutro nível!
Ora nas alturas se nos encontrávamos,
Ora até ás profundezas do inferno descíamos!

Aos marinheiros que o desespero não escondiam,
Pelas faces, as lágrimas já lhes corriam...
Mas também, os relâmpagos resplandeciam
Acompanhados de trovões que quase nos ensurdeciam!

Visto que o medo se nos apegou,
O mestre, novamente a Deus rogou.
E sendo que inconformado já se achava,
Ergueu a voz e fervorosamente orava.

E dizia: «ó Todo-poderoso! Ouve esta oração...
Pelas suas misericórdias, livra-nos desta situação!
És o único que nos pode salvar,
És o único que detém poder para a Tempestade travar.»

Tendo o mestre findado de orar,
Deus não tardou...de súbito, começou a operar!
A tempestade parou e no mar reinou a calmaria.
Desde então, agradecemos a Deus cheios de alegria!

Posto isto, a escassos metros vimos terra...
Era a Índia, terra que buscávamos!
E porque já se tinha rompido a madrugada de guerra,
O sol resplandecia e em festa desembarcávamos.

Finda a nossa missão,
Surgiu em mim uma inevitável questão:
Como pode ser tão violento e insuportável
O mar outrora pacífico e navegável?
web inhaca.alunoManuel Nhaca
10.º C
Escrito em maio de 2017

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

Logo UPA

despesc

Topo