web escola.verde dez18
Após um mês de funcionamento do projeto “Escola Verde”, professores, alunos e funcionários da Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa (EPM-CELP) coletaram dezenas de garrafas “pet” e respetivas tampas – o equivalente a três carrinhas tipo caixa aberta – que, hoje, foram oferecidas à Plataforma Makobo para reverter em Sopa Solidária, destinada a crianças desfavorecidas do Bairro dos Pescadores, na cidade de Maputo.

A ação, promovida pelo grupo “Estamos Juntos por uma Escola Verde”, contou com a colaboração de alunos do “11.° A1” que adotaram a iniciativa como projeto de turma, desenvolvendo ações de sensibilização junto dos colegas dos segundo e terceiro ciclos do ensino básico e do ensino secundário para promover atitudes cívicas e proactivas em prol da sustentabilidade ambiental, num claro convite ao respeito pelo meio ambiente.

web escola.verde1 dez18Durante o período de recolha dos resíduos – em vários locais da Escola, como, por exemplo, “parrots” dos matraquilhos e do primeiro ciclo, cantina, varandas junto à papelaria e do primeiro piso, sala dos professores e Pátio das Laranjeiras –, a “Escola Verde” instou a comunidade escolar da EPM-CELP a conservar os objetos em contentores identificados para, posteriormente, fazer-se a reciclagem do material, do qual uma parte foi reutilizado para a dinamização de atividades da festa de comemoração do 19.º aniversário da EPM-CELP, no passado dia 24 de novembro.

De acordo com Patrícia Cascais, membro do grupo dinamizador da “Escola Verde” e professora de Matemática, a prática sustentável conseguiu “evitar que o plástico fosse para lixeiras, passeios, praias, rios e mares”, reforçando a ideia que a iniciativa ajuda crianças, adolescentes, jovens e adultos a construírem um melhor entendimento sobre as questões ambientais, factor de motivação para a assunção de atitudes e comportamentos sustentáveis. “Estamos Juntos por uma Escola Verde” é um projeto que pretende mobilizar a comunidade escolar para a reutilização do lixo, pois, explicou Patrícia Cascais, “todos nós temos a certeza de que faz parte da nossa responsabilidade, como cidadãos e como educadores, consciencializar os nossos alunos para uma atitude cívica e proactiva na sustentabilidade ambiental”.

Para além da ajuda concedida aos pequenos da Escolinha Solidária do Bairro dos Pescadores, a reutilização do plástico tem efeitos benéficos para a saúde ambiental. A título de exemplo, durante o primeiro mês de existência da “Escola Verde”, foram recolhidas quantidades consideráveis de garrafas “pet”, prosseguindo o projeto com os mesmos “Pontos de Recolha Verde”.

Coleta e reciclagem do lixo envolveu alunos do pré-escolar
Também sob o signo da sustentabilidade ambiental, os meninos do pré-escolar da nossa Escola participaram, na última sexta-feira (7 de dezembro), numa palestra sobre a trituração e reutilização de garrafas plásticas, proferida pelo diretor geral de Reciclagem e Serviços, Rui Andrade e Silva.

Os petizes, com idades entre os três e cinco anos, tiveram contacto direto com o processo de reciclagem, que passa pela recolha do material, a sua colocação na máquina trituradora, a entrada do plástico derretido nos moldes e, por último, o resultado final. Na ocasião, Rui Silva assumiu gostar de trabalhar com crianças porque “primeiro são o futuro e depois, ao sensibilizá-las sobre os malefícios do plástico, estamos a garantir um futuro melhor”, concluiu.

Comentar


Código de segurança
Atualizar

jornalarte quad

pontalingua quad

Logo UPA

despesc

Topo