odete solNunca é fácil escrever uma nota fúnebre. E é sempre doloroso. Hoje é ainda mais difícil. Não há palavras que consigam expressar a dimensão da consternação e da tristeza que sentimos na hora do adeus àquela que foi, sem qualquer espécie de dúvidas, uma das melhores de nós. A nossa comunidade está incomensuravelmente mais pobre, mais triste. Está incomensuravelmente coartada na sua riqueza humana e inteletual. A Odede Sol era mais do que uma professora na nossa comunidade, e era mesmo mais do que uma amiga. Era uma pessoa de valores, ideais e era uma pessoa que encarava a sua profissão como uma missão: a missão de fazer bem, a missão de transformar para melhor, a missão de fazer brilhar, como o seu nome indica, os pequenitos que chegavam às suas mãos.

A Odete Sol passou por nós sempre com delicadeza. A Odete Sol passou por nós sempre com uma inabalável esperança no olhar, com um sorriso, com uma voz tranquila, com uma atitude serena. Até parecia que era fácil viver assim. E talvez, para ela, fosse, porque era uma pessoa genuína, verdadeira, com uma maravilhosa tendência para não complicar o que às vezes já se apresentava complicado. A nossa colega vai fazer-nos muita falta. E já temos saudades da forma como nos saudava quando se cruzava connosco. Vamos guardar carinhosamente nos nossos corações a memória de ti, Odete. Vamos preservar o Sol que vivia na tua pessoa e vamos todos os dias tentar seguir o teu exemplo.
A EPM-CELP endossa à família enlutada as suas mais profundas condolências e partilha da sua dor porque é também a nossa dor, a dor desta comunidade.

É, pois, com profunda tristeza, que comunicamos que hoje, 27 de março de 2021, a nossa querida colega Odete Sol deixou este mundo e foi brilhar no outro local, onde espera por nós com um sorriso e uma palavra de conforto.
francofoniaCelebrar a Francofonia pode ser já considerada uma tradição na EPM-CELP, já que desde 2016 que a data do aniversário da Organização Internacional da Francofonia (OIF), 20 de março, é assinalada na nossa escola com várias atividades em que se festeja a aprendizagem da língua francesa e se sensibilizam os alunos de francês para a importância do espaço geográfico da OIF e sua missão.

Têm sido momentos em que a Área Disciplinar de Francês e os seus alunos partilham, com a comunidade educativa e outras instituições, aprendizagens e vivências em que o francês esteve em festa: representações teatrais, música, cinema, gastronomia, exposições… Assim foi até março de 2020, data em que o mundo foi assolado pela Covid-19.

Este ano “Malgré la Pandémie, on a fêté la Francophonie en classe”. As turmas de Francês recordaram a importância da aprendizagem desta língua, os objetivos da OIF e produziram pequenos cartazes e vídeos para assinalar este momento.

Desenhou-se, falou-se, cantou-se, sonhou-se, sorriu-se en français.

Momentos de grande simplicidade em que, de 16 de março a 19 de março, professores e alunos deram “as mãos” para lembrar en classe o 51º aniversário da OIF, concluindo que “la Francophonie est un soleil dans la planète”!

Ficam aqui alguns testemunhos dos momentos singulares em que os nossos alunos brilharam no maior e mais extraordinário de todos os palcos: la salle de classe!

"Mémoclasse"- pour ne pas oublier le Français


dia de sindrome de downA Down Syndrome International escolheu o mês de março e o dia 21 por fazerem alusão à alteração genética produzida pela presença de um cromossoma a mais no par 21, que caracteriza a Síndrome de Down, e ao facto de nas pessoas com esta síndrome existirem 3 exemplares (trissomia), ou seja, em todas as células do seu organismo existe um cromossoma extra.

Esta modificação genética afeta o desenvolvimento da pessoa com esta síndrome, determinando algumas características físicas e cognitivas.

As crianças com esta problemática devem, tal como qualquer outra criança, ter acesso a uma educação inclusiva, isto é, estar na escola para aprender o máximo e interagir uns com os outros independentemente das diferenças que possam apresentar. Assim, cabe à escola reestruturar a sua organização curricular de forma a ir de encontro às suas necessidades e desenvolver todo o potencial de cada um.

Neste sentido, recorda-se a Declaração de Lisboa, sobre Equidade Educativa, saída do 8º Congresso Internacional do Apoio Educacional Inclusivo, ocorrida em 2015, cujo objetivo foi “assegurar que a agenda Educação para Todos” das Nações Unidas fosse efetivamente para todos, promovendo o desenvolvimento de uma educação inclusiva. Nesta declaração definiram-se três justificações para uma escola verdadeiramente inclusiva:

i) A primeira justificação é educacional – a escola deve desenvolver-se de forma a educar todos.
ii) A segunda justificação é social - uma escola inclusiva é por si só capaz de mudar as atitudes perante as diferenças individuais, e à medida que educa todos conjuntamente constrói a base para uma sociedade mais justa, solidária, acolhedora e participativa.
iii) A terceira justificação é económica - é menos dispendioso educar todos em conjunto de que separar grupos por sistemas diferentes.

A EPM-CELP associa-se a este movimento internacional por ser uma escola verdadeiramente inclusiva!
cartaz bejc semana leitura 2
dele escolares 2021 instituto cervantes 1200x1200 esOs resultados dos exames para a obtenção do diploma de Espanhol – DELE, realizados em novembro passado, já foram divulgados e com eles uma inequívoca constatação: 42 alunos da Escola Portuguesa de Moçambique – Centro de Ensino e Língua Portuguesa (EPM-CELP) e três de escolas e instituições de Maputo passaram nos exames. Os números representam 100 por cento dos examinados e, segundo Uriel Guerra, professor de Espanhol na nossa escola e tutor dos exames, os mesmos demonstram empenho e facilidade nos processos de aprendizagem daquela Língua, mas reitera que os alunos devem trabalhar mais a expressão e interação escrita.

Dos 42 alunos examinados na EPM-CELP, 36 concorreram à certificação de nível escolar A2/B1 e os restantes seis ao B2. A EPM-CELP realizou o exame pela segunda vez consecutiva e visa dar oportunidades aos alunos para a obtenção do Diploma de Espanhol como Língua Estrangeira (DELE), usado para o reconhecimento internacional na candidatura a bolsas de estudo e atribuição de prémios, bem como na obtenção de vistos de estudo em Espanha, tendo validade vitalícia.

Os próximos exames serão nos dias 21 e 22 de maio e o prazo de inscrição termina no dia 17 de março corrente. As provas são divididas em quatro fases. A primeira de compreensão textual, seguida de resolução de problemas; a segunda auditiva, na qual os alunos ouvem um áudio enviado pela tutela para que estes, mais uma vez, resolvam os problemas; a terceira, de expressão textual e a quarta consiste numa entrevista.

Os exames do DELE avaliam diferentes competências linguísticas do Espanhol como Língua Estrangeira e são elaborados de acordo com as diretrizes do Quadro Europeu Comum de Referência (QECR) e respetivo manual, ambos do Conselho da Europa. O DELE comporta sete diplomas de outros tantos níveis (A1, A2, B1, B2, C1, C2 e A2/B1, este último de caráter escolar e destinado a alunos dos 11 aos 17 anos de idade). A aprovação em cada um dos níveis depende de exame obrigatório. No caso do nível escolar, os candidatos elegíveis podem receber uma certificação de nível A2 ou B1 em função do seu desempenho nos diferentes testes.

pontalingua quad

despesc

Logo UPA

despesc

Topo